O que é BDSM ?

Dominação, Submissão & Prazer

Walkiria Drummond

A sigla BDSM encerra em si uma trilogia complexa de relações humanas e sociais, e de práticas específicas. B de Bondage (ou BD de Bondage e Disciplina), DS de Dominação/Submissão e SM de Sadomasoquismo; são as três vertentes mais significativas deste universo.


Bia Gaucha

Os seus protagonistas são Dominadores, pessoas que controlam; Submissos, que se submetem à vontade do outro; Switchers, que consoante o estímulo podem ser Dominadores ou Submissos, CrossDressers, que obtêm prazer vestindo-se com roupas do sexo oposto e; Fetichistas.


A dominação psicológica é a base do BDSM que se rege pela sigla mundial SSC: São, Seguro e Consensual. Estas são três condicionantes sem as quais se deixa de estar em presença de práticas de BDSM e passa-se para o universo da violência. Em BDSM tudo é consentido mutuamente, quer física quer psicologicamente.


Apesar de estar sempre presente um estímulo sexual, nem todas as relações BDSM passam pelo sexo. Na comunidade, uma relação ou pessoa que não utilize práticas de BDSM é chamada Baunilha.

Angel Star

Existe sempre um estabelecimento e discussão de limites e safewords. Cada um dos participantes esclarece até onde admite ir, e onde residem os seus limites de práticas e experiências.

Bia Spencer

Todas estas práticas são realizadas com acessórios como os chicotes, coleiras, correntes, algemas, velas, roupas em cabedal vinil ou latex, cordas, agulhas hipodérmicas, uniformes, etc.

O Triskele

Triskele 

Triskele é um símbolo celta que representa as tríades da vida em eterno movimento e equilíbrio. Exemplos:

- nascimento, vida e morte

- corpo, mente e espírito

- céu, mar e terra

Este importante símbolo, também conhecido como triskele, triskelion ou tryfot, é uma espécie de estrela de três pontas, geralmente curvadas, o que confere ao símbolo uma graciosa fluidez de movimento.

Pode ainda ser definida como um conjunto de três espirais concêntricas. É um dos elementos mais presentes na arte celta, e tem sua origem atribuída aos povos mesolíticos e neolíticos. O triskele é um antigo símbolo indo-europeu. Também era utilizado por povos germânicos e gregos.

Os Celtas consideravam o três como sendo um número sagrado. A primitiva divisão do ano em três estações – primavera, verão e inverno – pode ter tido seu efeito na triplicação de uma deusa da fertilidade com a qual o curso das estações era associado.

Kalena Rios

Ou seja, o triskle, com suas três pontas, está associado ao fluxo das estações e por conseqüência representa a própria Deusa. Ademais, temos uma conexão óbvia com as três faces da Deusa (Donzela, Mãe e Anciã), bem como às três fases da lua (crescente, cheia e minguante), ou ainda com nossa natureza tríplice (corpo, mente e alma).

Assim sendo, fica clara a importância do triskle para a religião da Deusa. Sua presença em achados arqueológicos em terras celtas, da Irlanda à Europa Oriental, atesta sua ampla adoção pelos Antigos.

A iconografia continental atribui grande ênfase ao simbolismo da tríade, o conceito da triplicidade, e o conteúdo mítico-literal ausente no continente é amplamente fornecido pela infindável variação desse tema na literatura irlandesa e galesa.


O Triskele e o BDSM

Jo Garcia

O logotipo BDSM foi criado pelo americano Quagmyr em 1994. O objetivo era criar um símbolo que fosse discreto o suficiente para não chamar a atenção e que ao mesmo tempo pudesse ser reconhecido pelos “insiders”. Inspirado no símbolo oriental do Yin-Yang e numa espécie de amuleto celta, o “triskele”, ele é dividido em três partes, o que representa três conceitos:


1 - Os três comportamentos abrigados pela sigla BDSM, a saber:

- Bondage & Disciplina;

- Dominação & Submissão

- Sado-Masoquismo

2 - As três características que procuramos para os relacionamentos BDSM, que devem ser sempre:

- Sadios;

- Seguros;

- Consensuais

3 - Os três segmentos da comunidade BDSM:

- Dominadores (as);

- Submissos (as);

- "Switchers"

Tatiane Ximenez

Segundo o autor, o desenho original do logotipo pode sofrer algumas alterações, desde que respeitando algumas características básicas. A cor do anel e dos raios internos deve ser sempre metálica, simbolizando as correntes e algemas.

Nicolly Navarro

O interior dos três “gomos” é negro, porque lidamos com o que se convencionou chamar de “lado negro” da sexualidade. E os pontos no interior de cada um dos gomos são, na verdade, orifícios, para nos lembrar que o BDSM é necessariamente transpessoal, e que nenhum de nós será completo enquanto estiver sozinho.

Viviany Aguilera

Fonte: Sir Lucius Ghostwish









Um comentário:

bruno eltom disse...

Hummm delicia estas mulheres com suas pikas gostosas .sou d minas e queria ser sub. D uma travesti .alguma d minas afim d um escravo sexual.bisexual.mg@gmail.com